quarta-feira, 4 de junho de 2014

Podemos ver a casa de Fidel?


O que oprime o pobre insulta àquele que o criou, mas o que se compadece do necessitado o honra. Provérbios 14:31

Foi essa  a pergunta que minha esposa Valéria fez à guia turística que nos mostrava a cidade de Havana em Cuba a cerca de duas semanas atrás. A resposta veio de imediato “ no señora nadie los sabe !” (Não senhora, ninguém sabe)
Estivemos em Cuba para uma missão especial sobre o que não vou me deter nesse artigo para preservar a segurança daqueles que estão envolvidos no trabalho que ali realizamos e que está sendo realizado pela graça de Deus, apesar do regime cubano.
Inicialmente passamos 3 noites e dois dias na bonita cidade de Havana. Como turistas tivemos acesso a tudo de belo que a cidade tem, nossa guia era de uma agencia turística que pertence ao Governo, assim como o hotel que estávamos, o taxi que alugamos e o restaurante que usamos. Mas, nosso contato não foi apenas com essa simpática e “revolucionária” guia turística. A Moça era competente em florir a realidade Cubana, mas não pode omitir que o que ganhava não permitia que ela vivesse o mês e tinha que fazer outras coisas para sobreviver e os 20 dólares que demos de presente para ela, com certeza ajudou bastante no complemento da renda mensal.
Ela nos levou para ver o bairro aristocrata de Mira flores, a praça da revolução e outros locais que se assemelham às construções dos países da antiga “Cortina de Ferro” da Europa oriental, sempre imponentes. Além de termos visto o centro histórico onde uma pequena parte está restaurada. Perguntar não ofende e assim perguntamos se existem pobres ou ricos aqui em Cuba? Ao que ela, com veemência e quase iniciando um discurso político disse “ não, aqui não há pobres nem ricos” achei que não devia insistir perguntando sobre os mendigos que cruzaram nosso caminho. Entendemos que dali, não sairia nada mais do que um discurso pronto, para turista ver e, sendo nescio, se encantar. Mas até ali conclui que não há pobre em Cuba na mesma proporção em que os governos Petistas têm divulgando pelo mundo que o Brasil tem uma maioria de classe média.
Minhas fontes extra oficiais, gente da rua e do dia a dia me mostraram uma outra Cuba, vigiada de perto, temente de que uma dessas “primaveras” chegue por lá, o que espero não demore muito. Essas fontes me mostraram a realidade de uma pobreza institucionalizada e, que se vende para o mundo como o paraíso do caribe. De fato, existe um paraíso natural, um polo turístico dominado pelo Estado que apresenta o que muitos querem ver, prostitutas por todo lado, shows e belas praias, locais esses que os cubanos têm acesso proibido. Em conversa com alguns me foi dito que as mães introduzem as filhas nesse mundo pois essa é a única fonte de renda da família.
Os médicos cubanos se esforçam para entrar em uma missão como essa que está no Brasil, que mesmo recebendo uma mínima parte do ganho que o Governo Brasileiro paga, ainda assim é muito mais do que recebem no dia a dia de seu trabalho em Cuba, em torno de 28 dólares americanos, por isso ser camelô ou pedalar em uma bicicleta taxi nas horas extras faz parte da rotina de um pediatra ou dentista que precisa colocar comida na mesa de sua casa. Direitos humanos é algo que ninguém quer comentar e imaginei porquê.
A fé cristã cresce em Cuba, a igreja, mesmo diante de imensas limitações financeiras, estruturais, cresce nas ruas e se espalha. Ninguém detém, é obra santa. Células, pequenas congregações e um fenômeno que nunca havia visto, uma igreja na rua que congrega em uma praça mais de 600 pessoas em um domingo com chuva ou com sol, para ambos existe a sombrinha/guarda chuva e que nada possui senão o mais importante a fé no poder do Espírito Santo. Parabéns ao Pastor das ruas e a esse povo vibrante.

Seguimos para o interior, voamos em um Antonov 158, confesso que me preocupei, mas era um avião aparentemente novo e os voos de ida e volta foram tranquilos. Nossa missão no interior foi realizada com êxito, deixamos a liderança da igreja ali estabelecida, mas tudo teve que ser feito por detrás das cortinas, sob risco de detenção, mas o que seria isso depois de tanto ver a fé vibrante daquele povo.
Estivemos em um culto onde nos foi dito, “você não pode falar, pregar ou dirigir”, existem olheiros e nunca sabemos onde eles estão. Mas ver a fé daquele povo sofrido já nos foi suficiente para fortalecer ainda mais a nossa.
Vimos em Cuba o que estamos acostumados a ver nas periferias de qualquer cidade brasileira, mas aqui, assumimos isso, com exceção dos governantes, que por sermos a 7ª economia do Mundo parecem esquecer que estamos entre os piores índices de distribuição de renda deste mesmo mundo, e que as vezes disputamos fortemente com países como a Botswana.
A TV Cubana aberta é uma lástima de manipulação e a daqui não é? Perguntaria alguém, não, não como a de Cuba. TV Oficial que reproduz um canal da Venezuela e notícias do Equador e que todo tempo fala na Grande nação Sul Americana, uma neurose de Hugo Chaves e seus colegas, que tentam recriar o que se chamava da Grande nação (Equador, Venezuela e Colômbia) Não há nada do Brasil senão a Copa do Mundo, mas claro ninguém fala dos protestos.
Por fim, perguntei sobre o Porto financiado pelo Brasil, ao que me disseram: “Somos muito gratos ao Brasil, mas não sabemos como foi usado esse dinheiro aqui em Cuba, não há prestação de contas”, e eu pensei, nisso estamos empatados, nós também não sabemos foi rubrica secreta.
E existe algo bom em Cuba? Sim claro que existe. Um povo lutador e alegre, um sistema de saúde mais justo que o SUS, mas também corrompido, um sistema educacional simples mas onde todos têm acesso livremente. Mas, a pergunta da filha de um amigo lá continua: Para que vou estudar medicina?

E afinal de contas, onde mora Fidel?

Bom, a guia nos disse que ninguém sabia, mas esta semana a revista VEJA publicou uma matéria sobre esse assunto. Ele mora desde os anos 60, em uma ilha paradisíaca ao sul de Havana, com mordomias incontáveis Iate particular e outras coisas dignas de qualquer ditador ou governante capitalista e explorador como temos no Lago sul  Brasiliense e em outros lugares deste planeta. Fidel esqueceu o que Aldous Huxley já havia predito, que o mundo se tornaria um grande Big Brother. Mas, alguém dirá, isso é coisa da veja! Não, não é. É um livro publicado pelo seu ex segurança com 20 anos de trabalho junto ao “Companheiro” e as fotos de satélite desse paraíso caribenho não foram tiradas pelo fotografo da revista.
Tenho vergonha quando vejo a presidente Dilma vítima de tortura fazer vênia aos líderes Cubanos, como quem deseja realizar um sonho adolescente, fazer um selfie e colocar em um porta-retratos. Não, a liberdade não tem preço! Quem cantava “Vem vamos embora que esperar não e saber!!! Não pode ir embora, calada de braços dados com esses algozes.



sexta-feira, 9 de maio de 2014

p_10991
Miguel Uchôa
A paixão estará sempre ligada ao exterior, ao que chama a atenção, enquanto o amor estará sempre atraído pelo interior, pelo caráter, pelo que a presença do outro traz de satisfação e faz enfrentar as adversidades. Em outras palavras, o amor ama pelo que o outro é, e não pelo que ele possui, em todos os sentidos.
Não sou descrente do que se chama de amor à primeira vista, mas creio que isso acontece com muita raridade. Na maioria esmagadora das vezes, a paixão se encarrega de encantar no primeiro contato. Esse sentimento pode evoluir para o verdadeiro amor, mas, quando estanca na paixão, ele é marcado pela superficialidade. Enquanto isso, o amor requer maior conhecimento, e isso significa que ele cresce com o tempo, amadurece no dia a dia. Isso leva ao “amar apesar de” — amar sabendo a quem se ama.
A paixão tem a marca da instabilidade. Seu humor sofre variações, às vezes incompreensíveis, enquanto o amor se mostra estável e seus interesses são constantes, firmes e, acima de tudo, sinceros.
A paixão toma conta da pessoa a ponto de inverter suas prioridades. Ela produz uma dedicação cega e, às vezes, insana. Leva o indivíduo a viver fora da realidade. Você já deve ter visto ou convivido com alguém apaixonado por uma pessoa que sabidamente não é confiável, mas ele insiste, não enxerga, e não ouve a família que só quer o seu bem. O amor, em contrapartida, mantém o equilíbrio. Os valores seguem na hierarquia correta. Deus está em primeiro lugar, mas a família nunca
é desprezada. O amor, como vimos em 1Coríntios 13, não é egoísta, “não procura seus interesses”.
O amor é “ensinável”: ele escuta, se interessa em crescer pelo exemplo e pela experiência de outros. Quem ama, por conta de se manter em equilíbrio, ouve. Já a paixão não quer escutar ninguém. Além de cega, ela é surda. Naturalmente, existem muitas outras diferenças entre paixão e amor. Essas são apenas algumas que despertam mais atenção.

quinta-feira, 20 de fevereiro de 2014

CARNAVAL, O QUE DE FATO ESCONDE ESTA FESTA


CARNAVAL
O quê de fato esconde essa festa?

Ë comum nessa época do ano termos acesso a textos que procuram fazer uma verdadeira “exegese” dos assuntos carnavalescos ou uma análise etimológica da palavra carnaval. Dispenso ambas iniciativas por entender ser isso desnecessário. Não precisamos ir muito longe para perceber que o carnaval é de fato a festa da carne. Por outro lado, sabemos que as origens da festa estão ligadas ao momento que precede a quaresma, que na fé cristã historicamente é um período de recolhimento e reflexão em preparação para a páscoa. Na realidade o carnaval é um feriado religioso e se restringe à 3ª feira dia em que se celebrava tudo e de todas as formas possíveis para que no dia seguinte recebessem as cinzas do arrependimento da 4ª feira, onde há ou haviam os tradicionais culto de cinzas, agora  olhando para os 40 dias de abstinências e retiro que já comentamos ser a quaresma.  

Na prática, pouco ou nada disso acontece mais, nem o carnaval é um feriado religioso, nem a quaresma tem o mesmo significado que já teve em termos de reflexão e abstinências. Algumas tradições cristãs realizam  o culto e as missas de cinzas, mas nem de perto podemos dizer que essa prática faz parte da cristandade hoje como já fez um dia.Lembro de uma vez que o bispo primaz da igreja católica Romana no Brasil fez duras críticas contra as celebrações carnavalescas, mas porque estavam entrando na 4ª feira e isso era inadmissível dizia ele, pois já faz parte da quaresma. Achei um pouco estranha a posição daquela autoridade eclesiástica porque se limitava a defender a 4ª feira e sequer fazia uma menção aos dias e até semanas que as pessoas vinham vivendo em bebedeiras e extravagância de todo tipo.

O carnaval é uma festa ambígua em minha opinião, não posso deixar de ver o lado cultural de tantas manifestações, do espírito do artista brasileiro que vem à tona de forma tão nítida nesse período. É indiscutível que a criatividade do povo não se esgota e a cada ano surgem novas criações, nomes de blocos engraçadíssimos, pessoas que investem em algumas fantasias que nos tiram risadas só em ver e imaginar as cenas. Muitos vão se lembrar da história daquele folião que vinha no meio da multidão puxando uma coleira e gritando vem Bob vem Bob!  As pessoas abriam caminho com receio de um cachorro para depois perceberem que ele apenas puxava um “bob” de cabelo. Isso sem falar do bloco do “eu sozinho” e tantas outras iniciativas hilárias.

No entanto é inegável que o carnaval não se restringe a isso e como tantas outras coisas, foi perdendo a ênfase folclórica e dando cada vez mais lugar a uma verdadeira busca por algo mais, um extravazamento do ser que persegue uma satisfação qualquer e que em nome disso esquece qualquer limite e se entrega a tudo e a todos. Como em tudo, não podemos generalizar, mas não há como negar que essa é a ênfase da grande maioria, o que vem tornando a festa cada vez menos segura e cada vez mais um terreno fértil para o uso exagerado de bebidas, o consumo de drogas e a prática de uma sexualidade desenfreada. Não é a toa que o governo não investe na distribuição de preservativos no natal, na semana santa e em outros períodos festivos como faz nesse período do ano.

Ë necessário ainda observar tudo isso sob a lente da espiritualidade cristã. Jesus Cristo disse que o mundo jaz no maligno, e não é preciso chegar o carnaval para concluirmos isso. Mas fazendo uma análise da festa sob esta ótica, não podemos deixar de observar alguns aspectos e afirmar que o bom senso sugere que os cristãos confesso se mantenham afastados desta celebração. Não há como negar que as festividades têm um cunho espiritual por traz de tudo. Senão vejamos. O carnaval de Recife e Olinda é aberto com a noite dos tambores silenciosos. Ora todos sabem que esse evento é uma invocação às divindades africanas feitas pelos maracatus que, sabemos, além de sua beleza plástica e ritmo contagiante tem um componente espiritual fortíssima. Na realidade, é como uma entrega da festa a estas divindades e na concepção cristã isso é abominação ao Senhor. Nada mais contagiante e belo do que os desfiles das escolas de samba, especialmente do Rio de Janeiro. Aqueles batuques, aquelas baterias produzem um som alucinante e os dançarinos e dançarinas são de uma leveza impressionante. Mas seria ingenuidade ou cegueira eletiva tentar omitir de nossas mentes que da mesma forma por detrás de tudo aquilo está uma componente espiritual muito intensa. Muitas das letras dos sambas enredos, além de passagens históricas fazem alusão e louvação a entidades do candomblé e de outras tendências religiosas espiritualistas. Não é novidade para ninguém que os líderes destes grupos são em sua maioria esmagadora devotos de “santos guerreiros”, filhos de “santo” e com suas histórias totalmente ligadas a estas práticas, trazendo assim para suas escolas a louvação a estas entidades, o que compromete a imparcialidade espiritual do movimento.

Com estes exemplos e com a prática de um período de exageros e como citei extravasamentos do ser, esta festa se torna a cada dia e de fato a festa da carne e os cristãos, por não se sentirem motivados ao extravasamento da carne e sim a busca de um controle de seus impulsos carnais e a busca de uma vida limpa e pura diante de Deus devem se afastar desse momento e devem ensinar aos seus filhos que da mesma forma se afastem de tudo isso, não simplesmente porque é um pecado, mas porque toda a raiz está comprometida, as intenções estão maquiadas, e a espiritualidade pagã permeia toda a festa. Tenho dito que por detrás da mais simples fantasia de uma festividade infantil escolar nesse período, está uma intenção espiritual que reveste toda a festa. Não há como separar. Se incentivo meu filhinho a se fantasiar hoje e participar das festividades, não poderei me queixar que, quando jovem ou adulto ele deseje seguir adiante e se envolva na totalidade da festa, se expondo a estes riscos e à contaminação espiritual. O que a sabedoria de provérbios diz é que devemos ensinar a criança no caminho que ela deve andar e quando adulta não se desviará desse caminho!!

Por isso, desde que conheci a Cristo verdadeiramente, abri meus olhos e consegui enxergar o que de fato está por detrás dessa festa, e assim, me afastei dela, mesmo admirando seu colorido e sua componente folclórica e cultural. Um dos mais novos blocos do carnaval de Recife se chama “Culto a Baco”, criado em 2007 o grito de “fé” desse bloco irreverente é: Eu não vou ao culto orar, eu vou ao culto a Baco! Ora Baco é o mitológico Deus do vinho e não precisa ir mais adiante para perceber que isso vai além de uma simples irreverência. Talvez isso seja difícil de entender para alguém que não conhece a Cristo e confessa essa fé, mas você que sabe disso, pode facilmente perceber o que de fato está por detrás dessa festa.

 

sábado, 14 de dezembro de 2013

Não Acredito!


Conhecereis a verdade e a verdade vos libertará
                                                                                                                    Jesus Cristo

O mundo viu mais um mito se despedir dessa dimensão da vida. Nelson Mandela o sóbrio guerreiro entregou seu espírito e descansou eternamente. Eternamente também será lembrado como aquele que acreditou ser possível que a justiça acontecesse vinda das mãos de líderes políticos, governantes, sistemas econômicos e sociais. Mas será que de fato foi assim que ele partiu? com essa convicção? creio que não, sua longa existência o mostrou que naquele discurso de posse como presidente da África do Sul após tantos anos da brutal segregação racial e que ele, como primeiro presidente negro dizia crer que estava se estabelecendo algo que seria um exemplo para a humanidade... lamentavelmente não aconteceu e não dá sinais de acontecerá tão cedo.
Lamentavelmente não foi, não tem sido e parece que dificilmente será um bom exemplo para a humanidade. Mandela sonhou como todos temos o direito de sonhar, mas foi incapaz em sua humana limitação de imputar nos líderes e também no povo Sul Africano a grandeza de seu coração, a ternura de sua alma e a capacidade de mudar, que ele mesmo mostrou saindo de um guerrilheiro que defendia as armas para um pacificador paciente que convivia com seus adversários políticos sem o rancor tão característico nesse meio.

Lamentavelmente, a classe política da África do Sul fez crescer o abismo social que é maior hoje que no período do apartheid.
Lamentavelmente, existe uma casta de negros abastados que ascenderam por via da política e especialmente da corrupção que está em alto índice no ranking mundial.
Lamentavelmente Nelson Mandela não viu seu sonho se tornar realidade onde um governo justo traria para a população negra miserável da África do Sul os benefícios que somente os brancos tinham. Soweto continua sendo uma realidade.
Lamentavelmente, ele viu a perpetuação no poder de um partido único que tem trazido imensos malefícios para aquela nação, sonho de alguns políticos brasileiros que hoje enxergam o sol pelas grades.
Lamentavelmente por essas e por outras tantas razões eu tenho que dizer quem não acredito em qualquer sistema, governo ou instituição que levante a voz para dizer que sua ação transformará a sociedade.

Recentemente fiz uma escala em Johanesburgo, fiquei naquele imenso e moderno aeroporto onde pude atestar o que vi a mais de uma década atrás, apenas negros nas funções mais baixas. Tenho noção que a Ascenção leva tempo, mas parece que o tempo está demorando muito para essa nação.
A África do Sul precisava e precisa de outros “Nelsons Mandela” que com o seu mesmo espírito pudesse de fato transformar aquela sociedade. Aquela nação precisa muito mais do que um convívio pacífico entre negros e brancos, muito mais do que o fim da segregação racial, precisa avançar para amenizar a imensa segregação social que também nos afeta como brasileiros.

Somente acredito que homens e mulheres, tomados pelo Espírito de Deus, seguindo as palavras de Jesus de Nazaré sejam capazes de promover o bem diante de toda a falibilidade das intenções humanas. A maldade do Ser Humano só se quebranta diante da grandeza de Deus.
Por isso, não acredito em nada que não seja tomado pela verdade de Jesus Cristo!

terça-feira, 12 de novembro de 2013


 

GAFCON 2013: COMUNICADO DE NAIROBI*
Assim, já não sois estrangeiros e peregrinos, mas concidadãos dos santos, e sois da família de Deus, edificados sobre o fundamento dos apóstolos e profetas, sendo ele mesmo, Cristo Jesus, a pedra angular. (Efésios 2:19-20)
Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, nós, participantes da segunda Conferência do Futuro Global Anglicano (GAFCON) – 1358 delegados, incluindo 331 bispos, 482 clérigos e 545 leigos de 38 países representando  milhões de fiéis Anglicanos do mundo- enviamos saudações do Leste da África, um lugar de reavivamento no último século e de crescimento da Igreja Anglicana de hoje.
Introdução
Nós nos encontramos com muita alegria em Nairobi nos dias 21 à 26 de Outubro de 2013. Nos reunimos diariamente para orar e louvar, estudar a carta de Paulo aos Efésios e compartilhar da Santa Comunhão no início e no fim da nossa Conferência.
Foi muito penoso que nosso encontro realizou-se apenas um mês após o violento ataque terrorista em Nairobi, no Shopping Center Westgate em que tantos homens, mulheres e crianças inocentes perderam suas vidas. Nossos corações estão com essas famílias que perderam os seus entes queridos e com todos aqueles que ainda estão sofrendo. Nós lembramos deles em oração continuamente.  Em nos reunirmos aqui somos capazes de expressar publicamente a esperanca que Jesus Cristo traz a este mundo no qual fragilidade e sofrimento são frequentemente expressados. 
Em nosso encontro, reafirmamos a nossa visão de que somos uma comunhão mundial de Anglicanos Confessantes, envolvido em um movimento do Espírito Santo, a qual é pessoal e eclesial. Estamos agradecidos que o Arcebispo de Cantuária enviou saudações pessoais através de um vídeo e nos certificou que está orando por nós, e nós também oramos por ele. Acreditamos que temos agido como um importante e eficaz instrumento de Comunhão durante um período em que outros instrumentos de Comunhão falharam tanto em preservar  as prioridades do evangelho na Igreja, como em curar as divisões entre nós.
A Formação da Comunhão Global de Anglicanos Confessantes
Em 2008, o primeiro GAFCON foi convocado para combater um falso evangelho, que estava se alastrando por toda a Comunhão. Este falso evangelho questionou a singularidade de Cristo e a sua morte substitutiva, apesar da Bíblia ser clara em sua revelação de que ele é o único caminho ao Pai (João 14:6). Ele vai de encontro com a autoridade da Palavra Escrita de Deus. Ele procurou mascarar condutas pecaminosas com a linguagem dos direitos humanos. Promoveu práticas homosexuais como sendo consistentes com a santidade, apesar do fato que a Bíblia identifica claramente como ato pecaminoso. Um ponto crítico foi alcançado em 2003, quando um homem que mantia uma relação homossexual ativa foi consagrado bispo nos EUA. Nos anos que se seguiram, houve repetidas tentativas de resolver a crise dentro da Comunhão, das quais nenhuma foi bem sucedida. Ao contrário, a situação se agravou com insistente rebeldia. Como uma resposta para a crise, adotamos A Declaração de Jerusalém,  que nos compromete a fidelidade bíblica, e desde então tem sido a estrutura para ortodoxia Anglicana, na qual nós, com todas nossas tradições diferentes - Evangélicos, Anglo-Católicos  e Carismáticos - estamos comprometidos. Também formamos a Comunhão Global de Anglicanos Confessantes (GFCA).
A partir de então, nos tornamos um movimento que visa a unidade entre fiéis anglicanos. Ao tomar a posição de ser fiéis a Bíblia, os Anglicanos têm sido marginalizados ou excluídos das estruturas provinciais, ou diocesanas, e o Conselho  dos Primazes tem os reconhecido e autenticado como fiéis Anglicanos. O GFCA tem sido fundamental para o surgimento da nova província da Igreja Anglicana na América do Norte, dando reconhecimento formal de suas ordens e abraçando-a como uma província totalmente parceira, com seu Arcebispo tendo  assento no Conselho dos Primazes. O GFCA também impediu que a Original Diocese de Recife fosse isolada da Comunhão Anglicana. Ao mesmo tempo, comunhões locais foram criadas em muitas províncias. Estes têm sido um apoio essencial aos ministros e congregações, na medida em que as pressões ao testemunho do evangelho fiel aumentam.
A GFCA  e o Futuro da Comunhão Anglicana
A comunhão que desfrutamos como Cristãos se distingue de todas as outras associações pelo fato de ser em essência  uma  simples "comunhão com o Pai e com seu Filho Jesus Cristo" (1 João 1:3).  Por essa razão, tem um carácter particular. Ela envolve arrependimento e "andar na luz, como ele está na luz" (1 João 1:7- 9).  A natureza e os limites da nossa comunhão não são determinados pelas instituições, mas pela Palavra de Deus. A igreja é o lugar onde a verdade importa, onde é guardada e promovida e onde as alternativas são expostas pelo o que elas são - uma troca da verdade de Deus por uma mentira (Romanos 1:25).  A nossa vontade de nos submeter a Palavra Escrita de Deus e nossa oposição de estar em comunhão Cristã com aqueles que não se submentem a ela, é claramente expressa na Declaração de Jerusalém. Isto significa que as divisões na Comunhão Anglicana não serão curadas sem que haja uma mudança de coração daqueles que promovem o falso evangelho, e por isso nós oramos.
Há muito que podemos aprender com o Reavivamento do Leste Africano sobre ter uma mudança de coração. Começando no início do século passado, o reavivamento tem tocado milhões de vidas em muitos países onde o Espírito Santo tem movido, os leigos, homens e mulheres, bem como os clérigos, à compartilhar o Evangelho com os outros. Dois aspectos significantes  e de grande relevância para a nossa situação são:
- Arrependimento verdadeiro pelo pecado demonstrado através da confissão de culpa e do desejo de se retratar
- A confiança de que o evangelho tem o poder tanto de salvar o que está perdido em todo o mundo como de transformar a igreja, ao invés de ver a igreja conformada ao mundo.
Exortamos aqueles que promoveram o falso evangelho a se arrependerem  de sua infidelidade e a ter uma confiança renovada no evangelho. Nós nos arrependemos da indiferença, falta de oração e inatividade diante do falso ensinamento. Nós os lembramos – assim como a nós mesmos-  que os pecados dos quais devemos nos arrepender não são simplesmente aqueles que o mundo também considera errados; eles são aqueles que o próprio Deus detesta e que estão deixados claros em sua Palavra.
A Resolução de Lambeth de 1998  I. 10 Sobre a Sexualidade humana afirma que a atividade sexual é exclusiva para o casamento e que a abstinência é o certo para aqueles que são solteiros. Nós ainda nos mantemos firmes nesta declaração oficial. Tentação Sexual afeta a nós todos, e, por conseguinte, oramos pela fidelidade à Palavra de Deus no matrimônio e na vida solteira.
Nós nos entristecemos que vários governos nacionais, auxiliado por alguns líderes da igreja, tem tentado redefinir o matrimônio e tornar casamento entre pessoas do mesmo sexo em uma questão de direitos humanos. Nós acreditamos que os direitos humanos são fundados na verdadeira compreensão da natureza humana, que é que somos criados à imagem de Deus, macho e fêmea, que um homem deve deixar seu pai e sua mãe e unir-se-á à sua esposa (Mateus 19:6; Efésios 5:31).  Queremos deixar bem claro que qualquer parceria civil de natureza sexual não recebe a bênção de Deus. Continuamos a orar e oferecer apoio pastoral aos cristãos lutando com tentações de ter relacionamentos com pessoas do mesmo sexo que mantém-se em celibato em  obediência a Cristo, e a afirmá-los na sua fidelidade.
Somente o evangelho tem o poder de transformar vidas. Quando o evangelho é ouvido, o Espírito Santo desafia e convence do pecado, e direciona para o amor de Deus manifestado em seu Filho, Jesus Cristo. A pura graça de Deus, libertando-nos do pecado mediante a cruz de Cristo nos conduz para o gozo do nosso perdão e ao desejo de levar uma vida santa. Isso permite que o relacionamento com Deus que Jesus torna possível floresça. Além disso, tal como as vidas podem ser transformadas, assim também pode a vida das igrejas. Nós comprometemo-nos, pois, e chamamos nossos irmãos e irmãs em toda a Comunhão para unir-mos em redescobrir a força do Evangelho e em buscar a ousadia do Espírito Santo para anunciar, com um vigor renovado.
Fortalecendo o GFCA
Estamos comprometidos com o futuro da GFCA e para isso decidimos tomar medidas para fortalecer a nossa comunhão.
Em primeiro lugar, resolvemos ser mais do que uma rede. Somos uma expressão efetiva do Anglicanismo fiél  e, portanto, reconhecendo as nossas responsabilidades, temos que nos organizar de uma maneira que demonstre a seriedade de nossos objetivos. Esses são três:
- Proclamar e lutar pelo evangelho de Jesus Cristo. Como exemplos de trabalhos que queremos capacitar são a preparação de contestações teológicas convincentes à qualquer falso evangelho; apoiar a rede de faculdades teológicas cujos alunos são bem orientados para ministério, cujos professores são bem treinados, e cujos currículos são construídos com base na fiel leitura da Escritura.
- Construir a comunhão. Temos de encontrar novas maneiras de apoiar uns aos outros em missão e em discipulado.
- Justificando e afirmando fiéis anglicanos que foram excluídos por sua diocese ou província. A principal linha de trabalho aqui seria dedicar a discernir a necessidade de novas províncias, dioceses e igrejas - e, em seguida, validar os seus ministérios e ordens como Anglicanos.
Em segundo lugar, conquistar estes objectivos exigirá  a GFCA a operar sobre uma base mais sistemática e para isso, vamos organizar em torno de um Conselho dos Primazes, um Conselho de Administrativo, um Comitê Executivo e os agentes de ligação regional, que serão envolvidos em favorecer a comunicação entre FCAs.
Em terceiro lugar, nós reconhecemos que a mudança da GFCA para um novo patamar vai requerer que uma quantidade substancial de novos recursos estejam disponíveis. Devemos, portanto, formalmente convidar províncias, dioceses, agências missionárias, congregações locais e indivíduos a tornar-se membros contribuíntes  do GFCA. Em especial, pedimos as províncias para reconsiderar seu suporte àquelas estruturas Anglicanas que estão acostumadas a desconsiderar a fidelidade bíblica e ao invés disso, ou, além disso, contribuir com as necessidades financeiras da GFCA.
Nossas Prioridades
O mandamento do Nosso Senhor é "ir e fazer discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo, e ensinando-os a observar tudo quanto vos ordenei" (Mateus 28:19- 20).  Cremos, portanto, que a nossa primeira prioridade deve ser fazer discípulos. Isto significa que o nosso movimento tem de estar comprometido em –
- Evangelizar áreas de nosso mundo onde claramente as testemunha do Evangelho tornaram-se obscurecidas ou perdidas e levar o Evangelho aos povos ainda não alcançados. Grande parte da nossa energia deve ser dedicada a levar o Evangelho para crianças e jovens e desenvolver os líderes do futuro. Reconhecemos também a necessidade de orar, amar e compartilhar o evangelho de Jesus com os muçulmanos. Pedimos que as igrejas que treinem seus membros nesse tipo de missão
- Apoiar genuínas iniciativas evangélicas, reconhecendo que há tempos em que a manutenção de estruturas pode restringir a proclamação do evangelho. De acordo com as expectativas da Declaração de Jerusalém que o Conselho dos Primazes iria intervir para prover uma “supervisão ortodoxa à igrejas sob falsas lideranças”, o Conselho dos Primazes irá cuidadosamente considerar trabalhar além das estruturas existentes como uma resposta de obediência ao mandato de Jesus de levar o Evangelho para todas as nações.
- Defender o evangelho. Nós vamos continuar a expor publicamente qualquer falso evangelho que não é consistente com ensinamento apostólico e claramente articular o evangelho na Igreja e no mundo.
Nossa segunda prioridade deve ser aprofundar o discipulado. É preciso continuar enfatizando que a nossa identidade é encontrada principalmente em Cristo e não em alianças nacionais, étnicas ou tribais. Além disso, há muitas pressões sobre os cristãos de hoje que requer  um certo grau de maturidade para resisti-las. Estas incluem secularismo agressivo, onde  cada vez mais os cristãos estão sendo ensinados que devem somente expressar sua fé privadamente , e não publicamente; e onde a contribuição do Cristianismo para o bem público é negado; o islamismo militante que continua a ameaçar a existência e o ministério da Igreja em alguns lugares; e o sincretismos sedutor que introduz supostas alternativas de chegar a Deus e, assim, nega a unicidade de Cristo.
Lutar contra estas pressões e promover o evangelho em circunstâncias difíceis exige que os cristãos aceitem que seu testemunho envolve sofrer para Cristo (2 Timóteo 3:12); ou ficar firmes com aqueles que estão a sofrer por Cristo; estar alerta para as formas em que as Escrituras estão sendo falsamente prejudicadas pelos adversários; se engajar com um  discursos público gracioso; e de se recusar a ser intimidado quando submetidos a perseguições.
Como terceira prioridade, devemos testemunhar o efeito transformador do Evangelho trabalhando para a transformação da sociedade, de modo que os valores do Reino eterno possam ser visto aqui e agora. Cremos, portanto, que é certo se envolver em discursos públicos com mansidão e respeito (1 Pedro 3:15- 16), mas sem permitir que as nossas prioridades sejam moldadas pela agenda do mundo; e que as nossas igrejas trabalhem para a proteção do meio ambiente e fortalecimento do poder economico daqueles que são desprovidos de recursos; e que não ignoremos o clamor dos marginalizados e opressos que necessitam ajuda imediata.
Afirmamos os ministérios de mulheres e sua contribuição vital para a vida da Igreja: o seu chamado de evangelizar, discipular e construir casamentos, famílias, igrejas e comunidades fortes. GAFCON 2013 defende o ensino Bíblico que homens e mulheres são igualmente feitos à imagem de Deus, chamado a ser o seu povo, no corpo de Cristo, exercendo dons diferentes. Reconhecemos que temos opiniões diferentes sobre os papéis de homens e mulheres na igreja liderança.
Muito nos entristece que em  muitas comunidades as mulheres e as crianças são marginalizados pela pobreza, a falta de educação, HIV/AIDS, maus-tratos das viúvas e dos órfãos, e a poligamia. Além disso, elas sofrem violência doméstica, abuso sexual, tráfico e aborto. Repudiamos todo tipo de violência contra as mulheres e as crianças e chamamos a igreja a demonstrar respeito pelas mulheres, cuidado para com as mulheres e crianças marginalizadas de todo o mundo, e defender a santidade da vida humana, desde a concepção até a morte natural.
Estamos conscientes do crescente número de ataques contra Cristãos na Nigéria e Paquistão, Síria e Egito, Sudão e muitos outros países. Enquando nossos irmãos e irmãs estão enfrentando perseguição, devemos todos pressionar os governos e líderes de outras religiões, para que respeitem os direitos humanos, protejam os cristãos de ataques violentos e tomem medidas eficazes para prover liberdade de expressão religiosa para todos.
Conclusão
Estamos conscientes das muitas pressões que as fiéis testemunhas do evangelho sofrem dentro da igreja, mas igualmente conscientes da grande necessidade que o mundo tem de ouvir o evangelho. A necessidade de ter a GFCA  é maior agora do que quando nos reunimos pela primeira vez em Jerusalém em 2008. Acreditamos que o Espírito Santo está nos desafiando e ao resto da Comunhão Anglicana à nos mantermos fiéis à nossa herança bíblica; e a apoiar aqueles que sofrem como resultado da obediência à Cristo;  e a responder às pressões anti-cristãs com uma determinação renovada de difundir o evangelho. A seriedade com que encaramos a nossa missão e a nossa comunhão será refletida na forma como cada uma das igrejas individuais recebam a visão da GAFCON como sua própria visão, e em como damos recursos para o trabalho que a GFCA procura iniciar. Convidamos todos os fiéis anglicanos a aderir à GFCA.
Por último, nos comprometemos a fortalecer nossa comunhão e promover o evangelho.
O Compromisso de Nairobi
Estamos comprometidos com Jesus Cristo como o cabeça da Igreja, a autoridade de sua Palavra e poder do seu evangelho. O Filho perfeitamente nos revela a Deus, ele é o único fundamento de nossa salvação, e ele é a nossa esperança para o futuro. Procuramos honra à ele, caminhar na fé e na obediência aos seus ensinamentos, e glorificá-lo através da nossa proclamação do seu nome.
Portanto, no poder do Espírito Santo —

     1. Novamente nos comprometemos com a Declaração de Jerusalém
    2.Comprometemo-nos a apoiar missão, tanto a nível local como global, incluindo alcançar os muçulmanos.   Comprometemo-nos também a incentivar o treinamento dos leigos em obediência à Grande     comissão para fazer e amadurecer discípulos, com atenção especial ao recrutamento e mobilização dos jovens para o ministério e liderança.
     3. Comprometemo-nos a dar uma maior prioridade para a educação teológica e ajudar uns aos outros a encontrar os recursos necessários. É preciso esclarecer os propósitos da educação teológica, para que os alunos sejam mais bem orientados para ministério, professores sejam bem treinados, e os currículos sejam construídos sobre a fiel leitura das Escrituras.
      4. Comprometemo-nos a defender as verdades essenciais da fé bíblica mesmo quando essa defesa ameaça as estruturas existentes de autoridade humana (Atos 5:29).  Por esta razão, os bispos da GAFCON 2013 resolveram "afirmar e endossar a posição do Conselho dos Primazes em fornecer supervisão nos casos em que as províncias e dioceses que fazem concessões à fé bíblica, incluindo a afirmação de um chamado ao ministério devidamente discernido. Isso pode envolver ordenação e consagração se a situação exigir.”
     5.Comprometemo-nos a apoiar e a defender aqueles que em se firmarem na verdade apostólica são marginalizados ou excluídos da comunhão com outros Anglicanos em suas dioceses. Temos, portanto, reconhecido a Missão Anglicana na Inglaterra (AMiE) como expressão do Anglicanismo autêntico tanto para aqueles que dentro e fora da Igreja da Inglaterra, e congratulamos a intenção deles de nomear um Secretário Geral da AMiE.
      6. Comprometemo-nos a ensinar sobre o bom propósito de Deus para o casamento e para a vida de solteira. O casamento é uma união para toda a vida exclusiva entre um homem e uma mulher. Encorajamos todas as pessoas a trabalhar e orar para a construção e fortalecimento de casamentos e famílias saudáveis. Por essa razão, somos contra a onda secular de ser a favor de coabitações e casamentos  entre pessoas do mesmo sexo.
      7.Comprometemo-nos a trabalhar para a transformação da sociedade através do evangelho. Nós rejeitamos todas as formas de violência, especialmente contra as mulheres e as crianças, vamos trabalhar para fortalecer economicamente todos aqueles que são mais desfavorecidos, e seremos uma voz para os Cristãos perseguidos.
      8.Comprometemo-nos com a continuação da Comunhão Global de Anglicanos Confessantes, GFCA, colocando a membresia, recursos humanos e financeiros em uma nova base. Vamos continuar a trabalhar dentro da Comunhão Anglicana para a sua renovação e reforma.
9. Nós nos comprometemos em reunirmos novamente na próxima GAFCON.

Ora, àquele que é capaz de fazer infinitamente mais do que tudo o que pedimos ou pensamos, de acordo com o seu  poder que atua em nós, a ele seja a glória na Igreja e em Jesus Cristo por todas as gerações, para todo o sempre. Amém. (Efésios 3:20 - 21)

Nairobi, 26 de Outubro de 2013

*Tradução de Fabiana Schimidt

quinta-feira, 29 de agosto de 2013

3 Privilégios e 3 tentações da Liderança Por Rick Warren

 
Você acha que é mais fácil lidar com sucesso ou fracasso? Thomas Caryle uma vez disse, "Para cada cem pessoas que podem lidar com a adversidade há somente uma que pode lidar com a prosperidade." Acho que a maioria das pessoas não pode ficar no topo. Isso os muda. Na verdade, o sucesso destrói algumas pessoas. Existem vários benefícios legítimos de estar na liderança.
 
ü     Posição — você pode se tornar mais
ü    Poder — você pode fazer mais
ü    Privilégio — você pode ter mais
O esforço extra e o trabalho que você dedica lhe dará mais posição, mais poder e mais privilégios. Com cada um destes vem uma tentação muito grande que pode ser sua ruína como um líder se você usar à toa.
"Então, se você acha que você está permanecendo firme, cuidado para não cair!" I cor 10:12
Vamos olhar para as tentações da liderança, perceba quan do voc|ê ler o jornal hoje. As maiores nações do mundo enfrentam tumulto devido aos abusos de liderança. "O poder corrompe e o poder absoluto corrompe absolutamente."
Hoje vamos olhar para as tentações da liderança e os antídotos.
1. Você será tentado a abusar de sua posição.
Você já viu alguém conseguir uma promoção no trabalho, e de repente tornam-se um pequeno ditador? Mudaram!. Eles eram pessoas legais até chegarem à promoção. Então de repente começam a tratar todo mundo depreciativamente, fazendo exigências excessivas às pessoas. Demandas irrealistas expondo-as publicamente.
Pastores são pessoas experientes, supervisores, e o pastoreio da igreja está em nossas mãos. Mas isto não é uma desculpa para abusar da influência que temos e explorar as pessoas. Na verdade, a Bíblia é clara que os líderes da igreja serão julgados muito mais duramente por causa de seu potencial para influenciar as pessoas a se mover em direção a Cristo ou para longe dEle.
2. Você será tentado a abusar do seu poder.
Você pode ser um motorista ou um motivador. Os motoristas não têm nenhum apreço pelo povo enquanto motivadores estão constantemente encontrando maneiras para capacitar as pessoas ao seu redor. Seu papel como um Pastor não é para segurar as pessoas e tê-los para lhe servir quando você precisa, mas para elevá-los e equipá-los para servir a Jesus e mudar o mundo. Em outras palavras, o poder que Deus te deu como um lídere não é para seu benefício e sim para os outros.
3. Você será tentado a lucrar com seus privilégios.
Quando o livro “ Uma Vida com Propósitos” se tornou um best seller global, duas coisas entraram em nossas vidas que nunca esperávamos – uma nova influência global e uma nova perspectiva financeira. Kay e eu tinhamos que tomar uma decisão sobre o que faríamos com esses recursos. Decidimos começar o dízimo-reverso. Começamos dando 90% da renda que estávamos recebendo e vivendo com os outros 10%, e parei de ter um salário. Sou o voluntário mais ocupado da Igreja de Saddleback!
Quando você decidir lucrar com os privilégios de sua liderança, você dá às pessoas uma razão para questionar os seus motivos. Isso não significa que pastores não podem ser compensados de forma generosa. Simplesmente significa que temos que verificar os motivos do nosso coração como líderes para evitar qualquer pergunta sobre por que estamos fazendo o que fazemos.